"acho que Emerson escreveu algures que uma biblioteca é uma espécie de caverna mágica cheia de mortos. e esses mortos podem renascer, podem voltar à vida quando abrimos as suas páginas." [BORGES, Jorge Luis in Este ofício de poeta]
Segunda-feira, 30 de Dezembro de 2013
Músico da semana: Anna Calvi

 

Anna Calvi (Londres, 1982) é uma cantora e compositora britânica de indie rock. Anna tem sido comparada a artistas como Patti Smith, PJ Harvey e Siouxsie Sioux.

Em 2011 edita o álbum de estreia homónimo, sendo nomeado para o Mercury Prize 2011, concorrendo assim, com os álbuns de Adele e PJ Harvey, sendo o prémio atribuído a Harvey. Ainda no mesmo ano, Calvi foi incluída na lista BBC Sound of 2011, que elege os 15 artistas mais promissores.[ler mais]

 

[BREVEMENTE NA BIBLIOTECA MUNICIPAL]

 

Anna Calvi: 'Ser vulnerável não é uma fraqueza'

Com o primeiro disco arrebatou Brian Eno e Nick Cave. Agora regressa com One Breath, onde expõe um período da sua vida em que se sentiu "fora de controlo". Ontem esteve no Porto, esta noite toca em Lisboa.

Quando lançou o disco homónimo de estreia, em Janeiro de 2011, foram vários os nomes consagrados da música mundial que se levantaram para elogiar Anna Calvi. Brian Eno (produtor, entre outros, de gente como U2 e David Bowie) chegou mesmo a dizer que a cantora, compositora e guitarrista britânica era “o acontecimento musical mais importante desde Patti Smith”. Nas palavras do ex-Roxy Music, a música da londrina “é repleta de inteligência, romance e paixão”. Os ingredientes certeiros para engrossar a lista de seguidores, com Nick Cave a assumir-se como o admirador que se seguiu a Eno.

O apoio dos dois veteranos serviu, naturalmente, de rampa de lançamento, mas o talento de Anna Calvi fez o resto. Com o disco de estreia correu o mundo em digressão, vendeu milhares de cópias numa altura em que os discos mal se vendem e acabou 2011 nomeada para o Mercury Prize, a distinção mais importante na área da música no Reino Unido.

Em Setembro desse ano, quando actuou no Porto e em Lisboa em nome próprio pela primeira vez (a estreia tinha acontecido meses antes no Optimus Alive), extasiou os espectadores com as suas canções intensas e uma força invulgar em palco, que lhe parece sair das entranhas. Fora de palco, Anna Calvi revela-se como a pessoa mais frágil do mundo. Além de falar muito baixinho, aparenta ser bastante tímida e as respostas são sempre frases curtas. Em disco, porém, a voz é altiva, majestosa até. Essa ambiguidade está patente no novo One Breath, um disco que diz ser mais pessoal do que o anterior Anna Calvi, composto depois da morte de um familiar próximo.

Depois de um disco de estreia tão bem recebido, sentiu a pressão do sucessor?

Nem por isso. Senti mais pressão no primeiro disco porque não fazia ideia se alguém o iria ouvir. Essa sensação é muito mais assustadora. Como só escrevo sobre o que gosto não há nada, à partida, exterior a determinar o que vou fazer. Logo, também não há pressão.

O título One Breath refere-se a quê?

Explica a temática do disco: assinalar um momento de mudança forçada. Além disso, transmite a sensação de estar fora de controlo que senti quando estava a escrever as canções. Essa sensação pode ser assustadora, mas também excitante e acho que há um balanço entre essas coisas.

O que provocou esse descontrolo?

Coisas que aconteceram na minha vida pessoal, como a morte de um familiar... Mas tenho optado por não falar disto nas entrevistas. Basicamente essa ideia de estar a perder o controlo veio à superfície e, às tantas, percebi que estava a escrever canções sobre essa experiência e não tentei combater.

Este é um disco mais pessoal do que o anterior?

Sim, sem dúvida.

Não teve medo de se expor em demasia?

Não. Até porque ser vulnerável não é uma fraqueza, mas sim algo que nos fortalece. E a música pode ser terapêutica, uma maneira de explorar o que estamos a sentir a um nível muito íntimo e pessoal e, até, encontrar uma forma de ultrapassar a situação.

Sendo um disco tão pessoal, como quer que as pessoas se relacionem com ele?

Não me cabe a mim decidir isso, não é algo que consiga controlar. Mas quando comecei a compor, queria que o disco reflectisse um espectro alargado de emoções, que tivesse momentos de beleza e outros mais feios, de modo a que estes extremos pudessem coexistir, um pouco como acontece na vida do dia-a-dia.

Em termos sonoros, também é mais experimental. Foi algo que quis deliberadamente fazer?

Sim, queria brincar mais e experimentar coisas novas. Não queria fazer novamente o mesmo disco. Queria evoluir e, nesse aspecto, redescobrir a discografia de Tom Waits foi algo que me interessou. Especialmente a forma como ele utiliza as percurssões e as guitarras. Fá-lo de forma totalmente original.

Mas há claramente uma nova amplitude sonora, com vários momentos ambíguos entre distorção e coisas mais orquestrais, entre uma voz segura numa canção e frágil noutra...

Isso tem a ver, mais uma vez, com o que se estava a passar na minha vida pessoal. Mas independentemente dos problemas que enfrentamos, acho que acaba por ser sempre assim: às vezes sentimo-nos fortes e poderosos, como se nada nos conseguisse atingir, e depois não é preciso muito para acontecer uma reviravolta e sentimo-nos bastante vulneráveis. Inconscientemente isso passou para o disco e há um sentimento constante de desconstrução que obriga a que se tenha que erguer tudo outra vez.

Daí a interpretação também ser mais teatral?

Aí já não concordo, até porque faz-me alguma confusão quando usam a palavra ‘teatral’ para me tentarem definir. Não há nada ensaiado no que faço, não estou a actuar. Trabalho, claro, faço experiências, mas as coisas saem-me com naturalidade.

Mesmo em palco, onde assume uma postura de femme fatal que não tem no dia-a-dia?

Actuar faz sobressair o meu lado mais destemido e, no dia-a-dia, não sei como aceder a esse lado. A música é o único canal para chegar lá. Por isso, não é uma personagem que sobe o palco. Sou genuinamente eu, mas um eu que só aparece quando estou a actuar. Continuo reservada com quem acabo de conhecer e a música não mudou isso em mim.

Ainda assim, neste disco parece uma mulher mais forte e intensa do que na estreia.

Acho que é a mesma, mas agora está num lugar diferente. A experiência de termos de lidar com algo difícil obriga-nos a entrar em contacto com um lado nosso mais forte. Talvez seja isso que ouve em One Breath. [sol.sapo.pt]

 

 

 

 



publicado por bibliotecadafeira às 15:00
link do post | comentar | favorito
|

a biblioteca na Internet
homepage
catálogo
catálogo rcbe
facebook
contactos
mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28


posts recentes

Caros (as) leitores (as),

Autor da semana: Miguel M...

Estreias - cinema

Na mesa dos poetas

Sugestão de leituras

Músico da semana: Eric Cl...

Autor da semana: Flávio C...

Estreias - cinema

Na mesa dos poetas

Sugestão de leituras

Autor da semana: Afonso C...

Estreias - cinema

Juan Gelman: 1930 - 2014

Sugestão de leituras

Músico da semana: Bruce S...

Autor da semana: Gastão C...

Estreias - cinema

Na mesa dos poetas

Sugestão de leituras

Músico da semana: Juana M...

Autor da semana: Mário Za...

Estreias - cinema

Músico da semana: Anna Ca...

Autor da semana: José Ben...

Aviso

Músico da semana: Gisela ...

Autor da semana: Maria Ve...

Estreias - cinema

Na mesa dos poetas

Sugestão de leituras

tags

todas as tags

arquivos

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

links
Contador
subscrever feeds