"acho que Emerson escreveu algures que uma biblioteca é uma espécie de caverna mágica cheia de mortos. e esses mortos podem renascer, podem voltar à vida quando abrimos as suas páginas." [BORGES, Jorge Luis in Este ofício de poeta]
Sexta-feira, 19 de Julho de 2013
Autor da semana: Pedro Sena-Lino

Pedro Sena-Lino nasceu em 1977 em Lisboa. Licenciou-se em Estudos Portugueses na Universidade Nova de Lisboa, onde concluiu o Mestrado em Literaturas Românicas sobre José Régio, com uma tese sobre "O pecado de si mesmo: José Régio e o paradigma da identidade original." [ler mais]

 

A ficção portuguesa reflecte sobre a crise que é real

Na última semana foram lançados dois romances que reflectem a crise económica portuguesa e que propõem desfechos: Despaís e Se não podes juntar-te a eles, vence-os. Conversámos com os autores, Pedro Sena-Lino e Filipe Homem Fonseca.

Filipe Homem Fonseca apresenta esta quinta-feira, na sede da sua editora Divina Comédia, Se não podes juntar-te a eles, vence-os: três personagens vivem de formas diferentes a actual crise portuguesa. Na sexta-feira passada foi a vez de Pedro Sena-Lino publicar o seu segundo romance, Despaís ( Porto Editora), em que questiona a validade do conceito de Estado-Nação. Dois olhares sobre a crise económica na forma de romance no espaço de uma semana.

O ambiente que a crise criou é de medo e incerteza e pôs-nos a “viver numa panela de pressão que às vezes estoira em cima dos que nos estão mais próximos e que não têm culpa de nada”, diz Filipe Homem Fonseca sobre a situação do país e sobre o seu primeiro romance. A escolha do cenário da crise foi propositada: “A partir do momento em que escolho o cenário actual, tenho que falar da crise”, diz autor de Se não podes juntar-te a eles, vence-os.

No livro tenta acabar-se com a crise instalando outra crise. Levados pelo sentimento de medo, insegurança e revolta dois desconhecidos unem-se para matar os culpados da situação actual. Planeiam um atentado que tem o objectivo de matar sem discriminação porque todos são culpados por não terem agido. A alteração do provérbio popular no título pode a princípio parecer uma afirmação de incorformismo. Ao longo da leitura, o título passará a ser uma questão, diz o autor, "se não podemos juntar-nos a eles, devemos vencê-los?". Devemos passar do extremo da passividade para o da violência?

A história é também sobre os portugueses. “Quando chegam à idade adulta, os portugueses tornam-se três tipos de gente: catastrofistas, dissidentes ou boas pessoas”, diz uma das personagens. Mas estes rótulos não são definitivos, segundo o autor. Todos temos características destes três tipos e há sempre uma que sobressai. As referências directas não são só ao povo mas também à actualidade. É frequente encontrar as personagens a falar dos feriados que já não existem, do primeiro-ministro que sugeriu que emigrássemos ou das facturas que se têm que pedir depois de beber um café. Filipe Homem Fonseca usou estas referências por considerar que mesmo que tentasse inventar outras, nunca seriam tão boas como a realidade.

“Tentei pegar na nossa realidade e construir um exemplo quase universal. Quando um banqueiro diz que vamos aguentar a austeridade, isso diz muito sobre o que estamos a viver”. A ideia do autor é que um leitor do futuro que não tenha vivido o 2013 português possa concluir que “apesar da desconfiança e do medo, as coisas podem sempre melhorar”. A reflexão sobre este momento é um dos objectivos, mas a verdadeira intenção é “conquistar o direito à atenção do leitor e permitir que ele crie uma relação emocional com o livro”.

E se fossemos todos ex-portugueses?
Despaís, de Pedro Sena-Lino, passa-se em Portugal no ano de 2023. A situação é semelhante à actual, mas há situações extremas como a tentativa de desmantelamento e venda do Mosteiro dos Jerónimos. Nesta distopia, o país enfrenta a possibilidade do seu fim. “A ideia foi construir um romance virtual em que se vivem as condições actuais com a alteração de uma variável: há um referendo que coloca a hipótese da dissolução total do Estado Português.”

A história constrói-se pelos relatos de diferentes narradores. Foi esta a forma que Sena-Lino encontrou de devolver a voz aos cidadãos anónimos, representados por Afonso, criança agora sem pátria, uma idosa com demência, um historiador, um homem do lixo, um gestor, um jornalista, um fotógrafo estrangeiro, entre outros. Para o autor, é também importante o papel da multidão que intervém com palavras de ordem ao jeito de coro grego.

Pedro Sena-lino escolheu apresentar o seu novo livro através de uma manifestação encenada no Rossio, em Lisboa, e uma mesa-redonda sobre a situação nacional. “Não gosto de apresentações tradicionais. O objectivo é desencadear a discussão a partir da obra literária”, diz, salientado que a obra de arte não pode ficar fechada em casa, mas tem que provocar discussão, ser provocadora, tanto na forma como no conteúdo.

Despaís quer um leitor inconformado e perturbado no fim da leitura, quer que o leitor se pergunte o que pode fazer para evitar o cenário extremo de crise financeira, social e de identidade nacional que o livro descreve. O cenário é apocalíptico. Os portugueses vivem no mar, em barcos chamados “Crísias” porque já não têm sítio onde viver: Portugal foi vendido. Para o gestor, um dos narradores do livro, “esta é a história de um país que foi um erro. de um país que nunca sequer deveria ter existido”.

“Depois de vermos cair o Estado-providência, questiono se o conceito instalado de Estado-Nação ainda faz sentido”, diz o autor. A personagem do historiador teoriza esta questão: “Os Estados-Nação, bem como a ideia de Estado desapareceram com o chamado caso português. Só as grandes federações, ou directórios interregionais, como os Estados Unidos ou as União Europeia, podem sobreviver.” Enquanto a nação portuguesa se desfaz, na Europa de 2023 de Pedro Sena-Lino, já a Catalunha se separou da Espanha e a Bélgica se dividiu na Flandres e na Valónia, ficando a cidade de Bruxelas sob administração directa da União Europeia. [publico.pt]

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Títulos disponíveis na biblioteca municipal



publicado por bibliotecadafeira às 13:48
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



a biblioteca na Internet
homepage
catálogo
catálogo rcbe
facebook
contactos
mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28


posts recentes

Caros (as) leitores (as),

Autor da semana: Miguel M...

Estreias - cinema

Na mesa dos poetas

Sugestão de leituras

Músico da semana: Eric Cl...

Autor da semana: Flávio C...

Estreias - cinema

Na mesa dos poetas

Sugestão de leituras

Autor da semana: Afonso C...

Estreias - cinema

Juan Gelman: 1930 - 2014

Sugestão de leituras

Músico da semana: Bruce S...

Autor da semana: Gastão C...

Estreias - cinema

Na mesa dos poetas

Sugestão de leituras

Músico da semana: Juana M...

Autor da semana: Mário Za...

Estreias - cinema

Músico da semana: Anna Ca...

Autor da semana: José Ben...

Aviso

Músico da semana: Gisela ...

Autor da semana: Maria Ve...

Estreias - cinema

Na mesa dos poetas

Sugestão de leituras

tags

todas as tags

arquivos

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

links
subscrever feeds